DOUBLE FACE

iguatemi_borghierh2.jpg

Ás vezes imagens de origem puramente editorial acabam sendo protagonistas de layouts e campanhas publicitárias. Este é o caso das peças publicitárias avisando que o outono-inverno tinha chegado ao Shopping Iguatemi. As fotos, produzidas originalmete para a revista do shopping, por Giovanni Frasson foram re-editadas pela Borghierh/Lowe para ilustrar o material publicitário do Iguatemi.

iguatemi_borghierh1.jpg



HOME SWEET HOME

A casa perfeita não existe apenas nos sonhos de um diretor de criação de uma agência de publicidade. Existe, também, no olhar de um fotógrafo com bom equipamento digital.

itaucard01 copy.jpg



FIELDS OF DREAMS

O mesmo princípio da "hora certa no lugar certo", quanto ao nascer do sol, foi aplicado para o seu oposto idêntico que é o pôr-do-sol (mas em dias diferentes e com a ajuda do Climatempo) para realizar a imagem idealizada por Giuliano Cesar, diretor de arte da DPZ. Desta vez em um campo de arroz, e com um filhote de labrador adestrado por Gilberto Miranda, o homem que consegue com que os animais o obedeçam, quase, como um ser humano.

itaucard 03 copy.jpg



SUNRISE

itaucard 02 copy.jpg

Apesar de toda a tecnologia digital disponível para se obter uma boa foto, na hora em que o sol nasce, não tem outro jeito senão o de estar no local certo na hora certa. Para a foto da campanha do Itaucard, criada pela DPZ, a única solução foi acordar ás 02:45 da manhã (modelos, produção, operadores digitais, assistentes, produtor de locação, motoristas e etcs.) para pegar a estrada e poder estar na locação escolhida (em quantas praias paulistanas o sol aparece atrás da montanha e do mar ao mesmo tempo?) no momento exato do acontecimento solar que se repete (quando as nuvens estão ausentes) por milhões de anos e não cansa de surpreender pela beleza.

070316 - ITAUCARD 6.jpg



AIR TRAFFIC

Quando escreví este artículo (alguns meses atrás por causa do fechamento antecipado e essas coisas todas de prazos e gráficas) para a revista Audi, perfumado com algumas gotas de sarcasmo e inspirado no nó gordiano em que os ceus do Brasil tinham se tornado, não podia imaginar que continuaria atual no mes de março de dois mil e sete. E que, internacionalmente, o espaço aéreo de nosso país seria colocado no mesmo nivel de segurança ao do continente africano.

"A arte de voar.
Voar é com os pássaros mas para quem não têm asas sempre existe o avião. Por enquanto ainda é o método mais curto para você unir dois pontos distantes do globo terrestre. Isso, é claro, se você não tiver morado no Brasil, em dezembro de 2006, e tiver optado de ir de uma cidade a outra (os tais dos dois pontos) nas asas de qualquer PanAm nacional do século XXI. Mas isso é uma outra história. Enfim, o que eu quero dizer é que em todo o mundo as normas da aviação obedecem uma série de regras que são seguidas pelos profissionais envolvidos na área.
Mas, como tudo na vida, nem sempre as coisas acontecem como previstas. Na África, por exemplo. Lá tudo pode acontecer a qualquer momento. Diz a lenda que a única certeza que você pode ter é a de não ter certeza da hora em que seu avião vai sair ou chegar ao seu destino. Voar pelos céus da Africa pode ser uma caixinha de surpresas mas, devo confessar que, para mim, até agora foram sempre agradáveis.
A surpresa, por exemplo, de descobrir que o avião da Air Kenya que estava parado na pista do Wilson Airport, em Nairobi, não era uma peça de museu. Quer dizer, poderia até ter sido mas era, também, o avião que ia me levar até o território dos Massai na fronteira com a Tanzânia. O vôo foi feito sem nenhum sobressalto e, ainda por cima, baixo um céu azul intenso. Foi neste vôo, que um amigo meu que morava em Angola me contou que os etíopes eram respeitados como exímios pilotos e mecânicos de aviação no continente.
Pude verificar isso, anos mais tarde, quando o avião da Ethiopia Airlines desceu no povoado de Jinka. Apesar de poder ver que algumas partes dos manche, estava sentado na segunda fileira, tinham sido coladas com silver tape, os pilotos vestiam uniforme de piloto: terno escuro, camisa branca impecável, gravata escura e quepi de comandante. O avião saiu na hora certa de Addis Abeba e chegou na hora esperada. O vôo foi impecável e a única surpresa foi na chegada. O que eu achei de longe que poderia ser um campo de futebol para peladas (a grama estava comida em alguns lugares, o piso estava meio inclinado) era, na verdade, a pista de aterrizagem. Ficava bem no centro do lugar, rodeada por arame farpado, com uma rua e casas em volta. Pensando bem estava chegando a uma versão bem menos (muito menos) sofisticada do que Congonhas (ruas em volta, prédios, etc). A chegada do avião era, percebi depois, um acontecimento local que reunia multidões para contemplar o fenômeno. Os curiosos eram contidos com uma certa energia por policiais que carregacam as inevitáveis AK-47 penduradas nas costas.
Mas o momento mais inesquecível foi o de ter conhecido a familia Schurman. Eles moram na Namíbia e são os únicos autorizados a voar sobre a Costa dos Esqueletos. É um parque nacional, um deserto com uma área de aproximadamente quatrocentos kilometros quadrados, com dunas gigantescas que chegam até o mar. Uma corrente marinha sobe desde o Polo Sul e quando as águas frias se encontram com a areia quente das dunas provocam uma cerração constante e densa que só desaparece durante algumas horas do meio-dia. Antigamente, quando os métodos de navegação eram mais precários, os navios mercantes que se perdiam no lugar acabavam encalhando na costa. A primeira impressão dos marinheiros, náufragos, era de que estavam a salvo. Mas depois de alguns dias percebiam que se tinham se livrado de um naufragio no mar estavam, por outro lado, perdidos em um deserto. O nome do lugar, Costa dos Esqueletos, explica tudo. Os irmãos Schurman (são três) são, então, os únicos que tem a habilidade de voar no lugar. Eles entram, e saem, da cerração (pesadelo de qualquer piloto, pode perguntar) como se nada, além do mais eles comseguem voar a baixa altura e aterrizar na praia próximo aos restos de qualquer navio encalhado (sem esqueletos á vista, claro). Voar pode ser com os pássaros, mas resolver os problemas do dia a dia é com os homens."

confraria.qxd1 copy

confraria.qxd2 copy




abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004


Receba um aviso quando
tiver novidades no site,
basta colocar seu e-mail
no box abaixo e enviar.