SONHO TROPICAL (1)

A Cia. Marítima reune na campanha publicitária do próximo verão todos os ícones do que poderia ser uma bela estada no paraíso baiano de Trancoso. Sabrina Gasperini, Ingrid Vilas-Boas, Daniele Nabor, Bruna Magani e Daniela Sarahyba reforçam o conceito, imaginado por Benny Rosset e executado por Fabiana Kherlakian da Officecomm.

ciamar1.jpg



BOMB SHELL (2)

As páginas adjetivadas da revista Vogue Homem.

vogueh_ds1.jpg

vogueh_ds2.jpg

vogueh_ds3.jpg

vogueh_ds4.jpg

vogueh_ds5.jpg

vogueh_ds6.jpg



BOMB SHELL (1)

Exuberante. Fenomenal. Estes são os adjetivos sobre Daniela Sarahyba estampados na capa da última revista Vogue Homem. A matéria, de doze páginas, vem acampanhada de outros adjetivos.

vogueh_dscoverjpg.jpg



AVENTURA

veja_ethiopia1.jpg

veja_ethiopia2.jpg

veja_ethiopia3.jpg

Me interessa, cada vez mais, a possibilidade de escrever textos que acompanhem as minhas imagens. Considerando que a palavra fotografía significa escrever com a luz (foto/luz, grafía/escrita), as duas coisas, imagem e texto, tem um efeito complementar que, no meu caso, se origina de um mesmo ponto inicial: a observação e o registro do mundo ao meu redor da forma que eu percebo. A revista Veja publicou com o título “Entre Tribos Selvagens”, na edição #1972, matéria de seis páginas com este texto acompanhado destas fotos (e outras mais).

“Depois de vinte dias navegando pelo Rio Omo, os sentidos começam a se adaptar. Especialmente o olfato. Não existem os perfumes, os cheiros e a poluição da civilização, que deixam o nariz atordoado. Aqui é o sertão do vale do Rio Omo, na Etiópia, a 800 quilômetros de Adis-Abeba. As duas margens do rio são altas, mas pelo cheiro dá para saber o que acontece acima do barranco. O odor da madeira queimada significa que alguém está acampando, o de excremento de gado é sinal de que estão tocando o rebanho em direção ao rio. Todas essas informações são trazidas a distância pela brisa morna. Desta vez, o cheiro de gado chega bem antes do ruído das reses e da visão dos guerreiros nyagatons, na contraluz, imóveis debaixo do sol da tarde, no alto da margem. O calor é de quase 40 graus, e os guerreiros contemplam, em silêncio, o pequeno barco em que viajamos.
O comportamento-padrão dos nyagatons é intimidatório, seja pela atitude, pela maneira de falar ou pelo armamento que carregam (desse lado do rio todos usam o G3, um fuzil de assalto alemão, com maior poder de fogo do que o AK-47, mais comum na região), e eles estão em guerra, expulsando outras tribos. No momento estão de olho na tribo dos mursis, que, para escapar às emboscadas constantes, se retiraram para as montanhas. A atitude agressiva muda quando percebem que nosso guia é também um nyagatom. As apresentações são feitas, e tudo fica combinado quando voltarmos amanhã encontraremos uma multidão de guerreiros que deixarão as armas de lado para dançar com as mulheres da tribo. Alegres, festejarão a presença de estrangeiros.
O acesso por terra ao vale do Rio Omo é precário. O melhor caminho é pelo rio, mas só quando está cheio, logo após a estação das chuvas, que termina em setembro. Um único empreendedor, o holandês Hallewjin Schurman, montou acampamentos na região e leva para lá pequenos grupos de turistas em barcos motorizados. É uma viagem fascinante a um mundo perdido. Entre o acampamento e os nyagatons navegamos quatro horas contra a correnteza do Omo, que cheio de curvas, desliza entre matas de figueiras e tamarindos, cerrados e desertos. Sempre em alta velocidade, e em ziguezague, evitamos os pedaços de madeira que o rio arrasta e os hipopótamos que, sem avisar, emergem à nossa frente. Crocodilos de todos os tamanhos, alguns leões e um par de leopardos nos contemplaram indiferentes. Encontrar os nyagatons é um momento mágico emoldurado por uma paisagem bela e selvagem.
A Etiópia é o único país do continente africano que nunca foi colônia européia. Na década de 70, o último imperador, Haile Selassie, foi deposto por um violento golpe de Estado de orientação marxista, e a normalidade só voltou em 1995. Com suas verdes montanhas de picos impressionantes, seus vales cultivados e rios caudalosos, a Etiópia é uma espécie de caixa-d´água da África Oriental. O Nilo azul, por exemplo, nasce nas montanhas etíopes. Apesar disso, o país é lembrado sobretudo pela fome tristemente famosa e pela guerra com a Eritréia, que só terminou cinco anos atrás. O vale do Rio Omo, na fronteira com o Sudão e o Quênia, é uma área de mais de 4000 quilômetros quadrados com intensa vida tribal e muito pouco visitada.
O rio, que nasce ao sudoeste de Adis-Abeba, capital, da Etiópia, percorre quase 1000 quilômetros, mas não chega ao mar. É o principal afluente do Lago Turkana, no Quênia. O Omo divide a vida no vale: ao leste, as tribos dos karos, dos hamares e dos mursis. Do outro lado, os nyagatons e os quegos. Todos vivem da criação de gado. Mesmo os dassanechs, mais ao sul, na entrada do Lago Turkana, apesar de cultivar o sorgo (o cereal é armazenado em pequenas bolas feitas com galhos secos no alto de torres precariamente construídas para evitar a umidade), também são criadores de gado.
O aumento da população e dos rebanhos tornou letal a disputa por território. A única maneira de expandir o próprio domínio é com a ajuda dos fuzis AK-47 que cada habitante do vale carrega displicentemente no ombro. Uma bala custa 25 centavos de real. Os hamares vivem nas montanhas e praticam uma economia de subsistência agropastoril. Organizam-se segundo um elaborado sistema de agrupamento social por idade. Passar de um grupo a outro envolve complicados rituais. A maturidade, dizem misteriosamente os mais velhos, só acontece quando o coração chega aos olhos. Os mursis são reconhecíveis pelos desenhos que cobrem seu corpo e pelo pedaço circular de madeira que as mulheres usam no lábio inferior. A origem do adereço está nos tempos em que os mursis eram perseguidos para ser vendidos como escravos. Foi a maneira encontrada para tornar as mulheres menos atrativas. Hoje é um sinal de beleza. Os karos são pouco mais de 1500 e abandonaram alguns anos atrás a vida nômade. Vivem essencialmente em três aldeias – Labuck, Duss e Korcho – e praticam um rígido controle de natalidade. Crianças nascidas fora do casamento são deixadas para morrer debaixo de um arbusto com a boca cheia de areia.
Os quegos são os menos numerosos. Eram escravos dos karos, mas recentemente foram liberados pelos nyagatons, a tribo mais numerosa e feroz. A palavra nyagatom significa “comedores de elefantes” , e eles se esforçam para demonstrar que são realmente destemidos. Caçam crocodilos em pé sobre uma canoa, armados apenas de um arpão, ou passam temporadas servindo como mercenários para os conflitos do vizinho Sudão (a fronteira está a menos de 100 quilômetros dali). A circuncisão masculina e a infibulação feminina, as punições por chicotadas, tudo continua sendo feito da mesma maneira através de gerações. As crianças aprendem desde cedo que não existe a palavra “ladrão”. Roubar é permitido, mas quem é apanhado acaba chicoteado.
A prática da escarificação e da pintura corporal atinge patamares sofisticadíssimos. Para eles, a escarificação é um atestado de bravura. Um guerreiro não pode ostentar nenhuma cicatriz até que tenha matado um inimigo. Para uma mulher , as cicatrizes são uma maneira de ficar atrativas para os homens. As escarificações são feitas com facas, pedras ou pregos. Depois a ferida é coberta com cinzas. Isso provoca uma pequena infecção, que, mais tarde, vai deixar a marca com relevo na superfície da pele. Com suas tradições preservadas o vale do Rio Omo é um museu de história natural ao vivo e em três dimensões.”

vejaet01.jpg

vejaet03.jpg

vejaet02.jpg



SEVILLA (8)

top_coversevilla.jpg

A TopMagazine é um projeto que Claudio Mello importou de sua Curitiba natal para São Paulo. Claudio coroou na posição de editor da revista ao jornalista Wagner Carelli, o esgrimista (florete) da palavra. No último número da Top, Wagner publicou o seguinte texto como corolário a uma material sobre as fotos do livro “SevillaJRDuran”:

“A idéia era fazer algo que religasse fisicamente à Espanha o nome e o trabalho de J.R. Duran, o mais brasileiro de todos os fotógrafos espanhóis e o mais universal dos fotógrafos brasileiros – ou, apenas, o melhor fotógrafo. E Enrique Ruiz de Lera, conselheiro de turismo da embaixada da Espanha no Brasil, o convidou para “produzir algo com total e absoluta liberdade criativa em território espanhol”, ou seja, o que quisesse. Duran escolheu fotografar a mítica Feria de Sevilla, em abril deste ano, e passou lá dez dias. “ A Feira de Sevilha contém toda a Espanha dos meus sonhos mínimos”, diz Duran, para quem a cultura exuberante da cidade de passado árabe, cristão, judaico, intelectual, religioso, camponês e marinheiro resume a mitologia de suas primeiras memórias afetivas em relação à terra em que nasceu. Ele escolheu o branco e preto como linguagem e as pessoas como tema: “ Só as pessoas e seu espírito me interessam”, diz. O resultado, como se vê nas páginas anteriores, é de um poder quase goyesco no retratar as pessoas comuns e correntes de uma Espanha antiga e profunda, e conferir-lhes um caráter paradoxal de singela grandeza. “Sou um viajante de almas”, diz Duran – e absolutamente o mesmo se poderia dizer de Goya. Como Goya, ainda, Duran é um grande escritor: suas imagens narram enredos inteiros e complexos, em que as personagens se reconhecem perfeitamente como obra de seu autor – e este se reconhece em suas personagens. “Em toda boa foto há partículas visíveis largadas pelo fotógrafo e pelo fotografado”, diz Duran. Como escritor que é – e, para além de Goya, escritor de fato, autor de dois excepcionais romances, Lisboa e o ainda inédito Santos - , Duran tem a capacidade quase mágica de usar a máquina fotográfica como se fosse um editor de textos, “escrevendo” ficções com o material mais resistente da realidade – aquilo que se vê. “Vivo em um universo imaginário, só vejo o que não está lá, não existe”, diz. O real não é uma questão de olhar. Quem dirá que seu toureiro, como os de Hemingway, não é real, aquele exatamente que veremos adentrar a arena sob o sol e os aplausos? E, no entanto, quanto de realidade há no seu meio sorriso de surpresa, no porte e nos adereços de semideus flagrado no ato cotidiano de cruzar uma rua, no fundo desfocado que resume um afã e um movimento que é alheio ao personagem e, ao mesmo tempo, se movimenta e se congrega por ele e para ele? Esse só se encontra no olhar de Duran, o olhar da Fênix: “Um fotógrafo renova o olhar a cada despertar: ele não pode acordar com o olhar cansado”. O encontro entre Duran e Sevilha resultou neste ensaio exclusivo para TOP e ampliou-se no livro Sevilla JR Duran, prefaciado por um ensaio notável do crítico de fotografia e pesquisador Rubens Fernandes Jr., curador do livro e da exposição de mesmo nome que o Centro Cultural do Instituto Cervantes, em São Paulo, leva de 4 de agosto a 5 de setembro .”

top_sevilla01.jpg

top_sevilla02.jpg

top_sevilla03.jpg

top_sevilla04.jpg

top_sevilla05.jpg

top_sevilla06.jpg

top_sevilla07.jpg

top_sevilla08.jpg

top_sevilla09.jpg

top_sevilla10.jpg



CALIFORNIA DREAMS

O paraiso deve ser em algum lugar perto da California. Gianne Albertoni, com styling de Carla Raimondi, personificou, para a revista Estilo de outubro, o que seria o perfeito ideal de mulher para este paraiso.

estilo_albertoni1a.jpg

estilo_albertoni2.jpg

estilo_albertoni3a.jpg

estilo_albertoni4a.jpg




abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
janeiro 2012
dezembro 2011
novembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
março 2011
fevereiro 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
agosto 2010
julho 2010
junho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
janeiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
julho 2004
junho 2004


Receba um aviso quando
tiver novidades no site,
basta colocar seu e-mail
no box abaixo e enviar.